Disfunção do assoalho pélvico








http://www.novafisio.com.br/wp-content/uploads/2013/01/fig21.gif
Fisioterapeuta que escolhe a Uroginecologia lida (e muito) com a disfunção do assoalho pélvico. Essa disfunção consiste em uma ampla gama de problemas que surgem quando a musculatura do assoalho pélvico não funciona adequadamente.

Os músculos desta região devem apoiar os vários órgãos localizados na cavidade pélvica, como bexiga, próstata, reto e órgãos reprodutivos femininos. Além disso, também estão relacionados com o funcionamento dos esfíncteres urinários e anal. Deste modo, alterações na musculatura pélvica podem resultar em disfunções urinária e intestinal.

A disfunção do assoalho pélvico tem origem em uma lesão dos nervos dos músculos da pélvis, sendo que a mesma pode ser causada por certos fatores como: obesidade, cirurgia, gestação, parto e menopausa. Alguns indivíduos aparentemente são mais propensos a desenvolver esta disfunção em decorrência de fatores hereditários ou do seu tipo de colágeno.

As manifestações clínicas que podem aparecer quando há disfunção do assoalho pélvico envolvem:

  • Constipação;
  • Sensação de esvaziamento incompleto do reto, o que pode ocasionar uma incontinência fecal, em decorrência do esforço repetitivo para eliminação das fezes ainda presentes no reto;
  • Prolapso dos órgãos pélvicos;
  • Incontinência urinária;
  • Disfunção sexual;
  • Dores crônicas (como a vulvodínia).

O diagnóstico desta condição é complicado, uma vez que não existe um exame específico para diagnosticar tal condição. Contudo, este deve ser feito com base em uma análise minuciosa do histórico e quadro clínico apresentado pelo paciente, juntamente com um exame físico.

O tratamento pode ser feito de diferentes formas:

  • Biofeedback: é a terapia mais comum no tratamento da disfunção do assoalho pélvico. Este é realizado com o auxílio de um fisioterapeuta, não é doloroso, e é eficaz em aproximadamente 75% dos casos.
  • Medicação: podem ser prescritos relaxantes musculares.
  • Técnicas de relaxamento: envolve banhos quentes, ioga e exercícios.
  • Cirurgia: quando o médico determina que a disfunção do assoalho pélvico resulta de uma retocele ou prolapso retal, a cirurgia pode ser necessária.
Por Débora Carvalho Meldau



Capacite-se em assuntos para atender melhor os pacientes:
  • Aprenda Kinesio Tapping Online
  • Cintura Pélvica: Principais alterações posturais e possíveis correções X estética do glúteo
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.