Disfunção Sexual no Diabetes








É lugar comum a associação diabetes e impotência sexual. O melhor exemplo é o fato daqueles diabéticos que não percebem os sintomas da hiperglicemia (um grande número), no temor de falhar sexualmente, seu motivo para se tratarem. Mas qual a amplitude do problema? Quem responde a questão é o especialista em endocrinologia do Centro de Atenção ao Diabético do Hospital Belo Horizonte, Dr. Eduardo Ribeiro Mundim.

"A disfunção sexual acompanha o ser humano desde o início de sua história, e afeta homens e mulheres, em qualquer idade a partir da adolescência", segundo o especialista. "A sua avaliação, contudo, é problema complicado", pondera. Enquanto os homens, por tenderem, aparentemente, a alardear seus feitos temem a impotência, as mulheres, também por efeito da cultura (que vai variar, conforme a região geográfica, nível cultural, estrato sócio-econômico), tendem a se calar, mesmo quando não conseguem ser orgásticas.

Eduardo Mundim explica que a princípio, "... o principal problema apresentado pelos homens é a impotência. Mas, sob este termo, não é apenas a disfunção erétil (ou seja, a dificuldade ou a incapacidade permanente de se obter ereção) que surge: despontam a ejaculação precoce, a falta de diálogo entre parceiros, a ausência de sintonia sexual". Estes três últimos não são privilégio do diabético, mas de qualquer homem. A disfunção erétil também não acomete apenas os diabéticos, mas diversos problemas de saúde podem se complicar com ela: tabagismo, disfunções neurológicas, acidentes, insuficiência renal, entre outros.

Mecanismos

O especialista explica que o mecanismo de ereção é composto de duas fases: a elétrica e a hidráulica. A fase elétrica corresponde à estimulação do sistema nervoso periférico, tanto pelo tato, quanto pelo cérebro. Ela dispara o mecanismo hidráulico, a retenção de sangue dentro do pênis, que é o mecanismo eretor. A disfunção erétil pode ser causada por danos, tanto em uma fase quanto na outra. No diabético, aneuropatia periférica e a arteriosclerose dos vasos penianos são, habitualmente, conseqüências dahiperglicemia persistente. A neuropatia pode destruir o mecanismo elétrico, e a arteriosclerose, o hidráulico.

Freqüentemente ocorre uma disfunção erétil transitória, quando a pessoa se descobre diabética. Esta, habitualmente, relaciona-se com a hiperglicemia daquele momento particular da vida ou mesmo com o sentimento de impotência frente à vida, desencadeado pela notícia da doença crônica, sendo revertida com a normalização. Contudo, ..."o mau controle glicêmico, com suas alterações metabólicas persistentes resultantes, leva, ao longo de vários anos, aos danos, permanentes", ratifica o médico.

Se não foi possível evitar alguns desses danos, seja pelo diagnóstico tardio do diabetes, seja pela dificuldade em atingir a glicose normal, restam algumas medicações e o uso de próteses. As indicações, tanto para um, quanto para outro tratamento, devem ser analisadas caso a caso.

Os tratamentos hoje disponíveis não resolvem todos os problemas orgânicos. Tão pouco os da ordem do relacionamento humano; e não resta dúvida, o cérebro é o órgão sexual humano mais importante. "A prevenção dos problemas orgânicos, como também dos relacionais é a melhor tática. Ela é efetiva em boa porcentagem dos casos, e consiste em: manter a glicose dentro do normal e afastar outros fatores de risco, como cigarro e alguns tipos de medicamentos", finaliza.


Capacite-se em assuntos para atender melhor os pacientes:
  • Aprenda Kinesio Tapping Online
  • Cintura Pélvica: Principais alterações posturais e possíveis correções X estética do glúteo
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.