Saiba mais sobre a Dismenorreia







Imagem relacionada

Dismenorreia é a dor pélvica ou abdominal provocada por contrações uterinas antes e/ou durante a menstruação. Comumente chamada de cólica menstrual, a dismenorreia afeta cerca de 50% das mulheres que menstruam. Ela é tão comum que a maioria das mulheres não chega a relatar o problema ao médico, dificultando o diagnóstico correto e consequente tratamento.


A dor abdominal/pélvica varia de um simples desconforto (sensação de peso no baixo ventre ou na região lombar) a dores muito fortes, que podem ser acompanhadas de náusea, vômito, diarreia e dor de cabeça. Existem dois tipos de dismenorreia:

Primária: não associada a problemas uterinos, ocorre nas primeiras menstruações e diminuem por volta dos 20 anos de idade ou na gravidez.

Secundária: associada a possíveis alterações nos órgãos reprodutivos, como miomas, cistos, endometriose, infecções, malformações, varizes e uso do DIU. Geralmente esse tipo de dismenorreia aparece cerca de dois anos depois do início da menstruação.

O tratamento da dismenorreia varia de acordo com a classificação.  Para a dismenorreia primária geralmente são prescritos anti-inflamatórios não esteroides antes e durante a menstruação. O objetivo é diminuir a produção de prostaglandinas, que aumentam as contrações do útero. Outro medicamento usado são os anticoncepcionais de uso contínuo, que impedem a ovulação e reduzem as cólicas.

 Já a dismenorreia secundária é tratada individualmente, de acordo com a causa. Ao mesmo tempo, os médicos costumam receitar algumas mudanças de hábito para amenizar os efeitos da dismenorreia, como exercícios leves, chás de camomila ou erva-doce, compressas quentes, banho morno e redução da ingestão de alimentos gordurosos.

Para Cara Adams e Jane Frahm, em um capítulo publicado no Saunders Manual of Physical Therapy practice, o ideal é o uso do TENS ou da corrente interferencial para combater tanto a dor abdominal quanto a lombar que acontece neste período da vida da mulher.

1) TENS convencional

– Eletrodos dispostos posteriormente entre T-10 e L-1 ou anteriormente, na região abdominal, logo após a cicatriz umbilical e nunca abaixo da espinha ilíaca antero-superior.
– Freqüência – 50 a 100 Hz.
– Pulso – 40 a 75 ms.
– Intensidade confortável parestesia sem provocar a contração muscular.
– Tempo- 30 minutos e caso a dor persistir mais uma série de 30 minutos.

2) Corrente interferencial

– Quatro eletrodos sendo dois de 100 cm2 dispostos anteriormente e dois de 200 cm2 dispostos posteriormente (acima da prega glútea).
– Freqüência rítmica de 90 a 100 Hz.
– Intensidade depende da tolerância da paciente (usualmente de 12 a 25 mA)
– Tempo de 15 a 20 minutos diários.

Referências Bibliográficas:
1)Deligeoroglou E , Dysmenorrhea Ann N Y Acad Sci 2000; 900: 237-44
2) Myers, R S Saunders Manual of Physical Therapy Practice. W.B. Saunders Company, USA, 1995


Publicado em 19/11/10 e revisado em 08/11/19


Capacite-se em assuntos para atender melhor os pacientes:
  • Aprenda Kinesio Tapping Online
  • Cintura Pélvica: Principais alterações posturais e possíveis correções X estética do glúteo
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.