Classificação da incontinência urinária


>




Incontinência de esforço - é a perda involuntária da urina quando a pressão intravesical excede a pressão uretral máxima, devido a elevação da pressão intrabdominal e ausência da contração do detrusor. Este tipo descreve a perda da urina durante exercícios, ou em situações de espirro ou riso. É mais freqüente em mulheres, mas pode ocorrer em homens após cirurgia de próstata; A causa mais freqüente de incontinência urinária de esforço é a hipermotilidade uretral decorrente da fraqueza do assoalho pélvico ou conseqüente a procedimentos cirúrgicos. A deficiência esfincteriana intrínseca também é freqüentemente observada e está geralmente associada à desnervação do assoalho pélvico, à radioterapia prévia, à diminuição dos níveis estrogênicos. (RODRIGUES & RINO, 1994).

Incontinência de urgência - é a perda involuntária da urina associada ao forte desejo de urinar, freqüentemente associada com a condição da pessoa, como no caso de Acidente Vascular Cerebral, Demência Senil, Doença de Parkinson, Escleroses Cerebrais Múltiplas, podendo ocorrer também em pessoas idosas saudáveis. Está associada com a instabilidade do músculo detrusor, onde há um aumento das contrações da musculatura detrusora, que contrai precipitadamente, inibição e hiperreflexia da bexiga; (RODRIGUES & RINO, 1994).

Incontinência por transbordamento - é a perda involuntária da urina quando a pressão intravesical excede a pressão máxima da uretra devido a elevação da primeira associada a distensão da bexiga na ausência de atividade de detrusor, há uma hipoatividade do detrusor, onde o detrusor se contrairá quando o paciente tenta urinar, sendo raro entre idosos. As possíveis causas incluem: obstrução anatômica devido ao aumento da próstata; bexiga neurogênica não inibida, resultante da perda da função iniciadora sobre a micção, quando o idoso percebe que a bexiga está distendida, mas não consegue inibir o reflexo miccional, apresentando perdas freqüentes de pequeno volume de urina; bexiga neurogênica atônica em que o indivíduo não percebe a distensão vesical com o acúmulo de urina e portanto, o reflexo miccional não chega a ser desencadeado, como ocorre nos pacientes diabéticos; (RODRIGUES & RINO, 1994).

Incontinência funcional - é diagnosticada quando há perda involuntária da urina associada a incapacidade ou falta de vontade de usar o toalete apropriadamente. Está associada as perdas cognitivas e físicas dos idosos e a fatores psicológicos e ambientais que influenciam o uso da toilete. A causa básica pode ser neurogênica ou não. (RODRIGUES & RINO, 1994).

Incontinência urinária mista - definida como a combinação da incontinência urinária de esforço e de urgência. A hiperpressão abdominal e a contração não inibida do detrusor, que são as duas forças de expulsão podem superar as forças de retenção. A elevada freqüência da incontinência urinária mista é decorrente da fraqueza esfincteriana. A urgência miccional é clinicamente predominante, sendo a mais desconfortável socialmente (VIANA, 2001).

A prevenção da IU visa à realização de exercícios que aumentam a força do esfíncter externo da bexiga, fortalecer a musculatura pélvica, principalmente o músculo elevador do ânus; evitar contraturas; manter a tonicidade muscular; melhorar a capacidade de recrutamento da musculatura, melhorar a transmissão de pressões na uretra e a coordenação reflexa durante o esforço. (XHARDEZ, 2001).
Classificação da incontinência urinária Classificação da incontinência urinária Revisado by Faça Fisioterapia on 04:44 Nota: 5