Fisioterapia ginecológica








Talvez você nunca tenha ouvido falar em fisioterapia ginecológica, mas ela existe. É indicada para mulheres que possuem disfunções uroginecológicas ou que estejam no pré e pós-parto. Também serve para quem quer se conhecer melhor. Quem já fez algumas sessões garante que o tratamento é bastante simples e pode render excelentes resultados.

Útero, bexiga, ovários e reto são alguns órgãos da pelve, a parte de baixo da barriga. Como não há ossos na região, quando os músculos enfraquecem, os órgãos se deslocam, geralmente para baixo. Os ligamentos que auxiliam os músculos a segurarem os órgãos também ficam mais frouxos com o passar do tempo.

Segundo a fisioterapeuta Clarissa Niero, da Clínica Pró-Vida, o objetivo do exercícios é possibilitar a reabilitação das mulheres, aumentando sua autoestima, beneficiando no seu retorno à vida social e sexual. "Através do tratamento as mulheres podem conhecer mais seu corpo e chegar a um bem estar físico e psíquico. Os exercícios são uma opção de tratamento para gestantes no pré e pós-parto, mulheres com incontinência urinária e mastectomizadas, disfunções sexuais, entre outros", diz a especialista.

Além do trabalho de fortalecimento do assoalho pélvico (músculos vaginais e anais) através de exercícios, outras técnicas também são empregadas. "Fortalecimento de membros inferiores e abdômen, alongamentos, técnica de respiração para o trabalho de parto e drenagem linfática, que previne transtornos circulatórios são algumas delas. A eletroterapia também é utilizada estimulando o fortalecimento da região pélvica através do biofeedback", diz Clarissa.

Na gravidez

Durante o pré-parto, a gestação e no pós-parto a fisioterapia contribui para que a mulher possa assimilar as modificações pelas quais passa o seu corpo e tenha uma recuperação satisfatória. "Esse tipo de fisioterapia só é contraindicado para gestantes que possuem algum problema na gravidez, causando risco para ela e para o bebê", avisa Clarissa. Para todas as outras mulheres os exercícios estão liberados, sempre com acompanhamento de um profissional qualificado.

A educadora Carla Martins, de 34 anos, procurou um fisioterapeuta assim que soube da gravidez. Junto com o seu ginecologista, planejou uma rotina que incluísse os exercícios. E adorou! "Eu sempre quis ter meu bebê através do parto normal. A prática me ajudou bastante na hora H e minha recuperação foi instantânea! Se engravidar novamente, farei as sessões de fisioterapia sem pestanejar", planeja.




Capacite-se em assuntos para atender melhor os pacientes:
  • Aprenda Kinesio Tapping Online
  • Cintura Pélvica: Principais alterações posturais e possíveis correções X estética do glúteo
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.