Saiba mais sobre a Dor Pélvica


>





A dor pélvica é um desconforto que ocorre na parte inferior do tronco, região abaixo do abdômen e entre os ossos dos quadris. Não inclui dor que ocorre no exterior da região genital (vulva). Muitas mulheres sofrem de dor pélvica. Considera-se uma dor crônica caso persista por mais de quatro a seis meses.

A dor pélvica pode ser um sintoma ginecológico. Ou seja, ela pode ser provocada por um distúrbio que afeta o sistema reprodutor feminino.

Acesse o blog da Fisioterapia

A dor pode ser aguda ou cólica (como cólicas menstruais) e pode ir e vir. Pode ser repentina e dolorosa, surda e constante, ou alguma combinação. A dor pode intensificar-se gradativamente e, às vezes, ocorre de maneira intermitente. Frequentemente, a dor pélvica ocorre em ciclos coordenados com o ciclo menstrual. Ou seja, a dor pode ocorrer todos os meses logo antes do, ou durante o, período menstrual ou no meio do ciclo menstrual, quando há a liberação do óvulo (durante a ovulação).

A região pélvica pode ficar sensível ao toque. Dependendo da causa, a mulher pode ter sangramento ou secreção pela vagina. A dor pode vir acompanhada de febre, náusea, vômito, sudorese e/ou tonturas.

Causas

Geralmente, a dor pélvica não é causada por um distúrbio grave. Está frequentemente relacionada ao ciclo menstrual. Entretanto, vários distúrbios que causam dor pélvica podem levar à peritonite (inflamação e, normalmente, infecção da cavidade abdominal), que é um distúrbio grave.

Os distúrbios que podem causar dor pélvica incluem

  • Distúrbios ginecológicos – aqueles que afetam os órgãos reprodutivos (vagina, colo do útero, útero, trompas de Falópio e ovários)

  • Distúrbios que afetam outros órgãos na pelve, como a bexiga, o reto ou apêndice

  • Distúrbios que afetam órgãos próximos, mas na região exterior da pelve, como a parede abdominal, o intestino, os rins, os ureteres ou a parte inferior da aorta

Frequentemente, os médicos não conseguem identificar o distúrbio.

Distúrbios ginecológicos

Os distúrbios ginecológicos podem ou não estar relacionados ao ciclo menstrual. As causas ginecológicas mais comuns da dor pélvica incluem

  • Cólicas menstruais (dismenorreia)

  • Dor no meio do ciclo menstrual (mittelschmerz) que ocorre durante a ovulação

  • Endometriose (restos de tecido anormais geralmente localizados apenas no revestimento do útero)

  • Um mioma é um tumor benigno (um timor não canceroso composto de tecido muscular e fibroso)

Muitos outros distúrbios ginecológicos podem causar dor pélvica

Outros distúrbios

Outras causas frequentes da dor pélvica incluem

  • Distúrbios do trato digestivo: Gastroenterite, constipação, coleções de pus (abscessos) e tumores (malignos ou não), como câncer de cólon

  • Distúrbios urinários: Infecções, como cistite, pedras no trato urinário, como cálculos renais, e inflamação da bexiga sem infecção, como cistite intersticial

  • Distúrbios musculoesqueléticos: Separação dos ossos púbicos após parto, fibromialgia e músculos abdominais distendidos

  • Outros distúrbios: Abscessos na pelve

Fatores psicológicos, principalmente estresse e depressão, podem contribuir para qualquer tipo de dor, inclusive dor pélvica, mas raramente são a única causa da dor pélvica.

Muitas mulheres com dor pélvica crônica sofreram abusos físicos, psicológicos ou sexuais. Meninas que foram abusadas sexualmente podem sofrer de dor pélvica. Nessas mulheres ou meninas, os fatores psicológicos podem contribuir para a dor.

Avaliação

Quando a mulher sente uma dor desconhecida, repentina e muito intensa na região inferior do abdômen ou pelve, o médico deve decidir com rapidez se é necessária uma cirurgia de emergência. Distúrbios que exigem cirurgia de emergência incluem

  • Apendicite

  • Ruptura de gravidez ectópica (uma gravidez de localização anormal – situada em local adverso no útero)

  • A torção de um ovário (torção anexial)

  • Ruptura de um abscesso na pelve

  • Laceração no intestino

  • Um aneurisma da aorta abdominal

O médico faz um exame de gravidez em todas as mulheres e meninas em idade fértil.

Sinais de alerta

Em mulheres com dor pélvica, certos sintomas são preocupantes:

  • Tonturas, perda de consciência súbita, mesmo breve (desmaio ou síncope), ou pressão arterial perigosamente baixa (choque)

  • Sangramento vaginal após a menopausa

  • Febre ou calafrios

  • Dor súbita e intensa, principalmente quando acompanhada por náusea, vômito, suor excessivo ou agitação

Quando consultar um médico

As mulheres com a maioria dos sinais de alerta devem consultar um médico imediatamente. Entretanto, se o único sinal de alerta é o sangramento vaginal após a menopausa, a mulher pode consultar um médico em mais ou menos uma semana.

Caso a mulher sem sinais de alerta sinta dor desconhecida constante e com piora gradativa, deve-se consultar um médico no mesmo dia. Caso a mulher sinta dor desconhecida que não é constante nem piora, deve-se fazer uma consulta quando possível; contudo, demorar vários dias geralmente não é prejudicial.

A dor pélvica recorrente ou crônica deve ser examinada por um médico em algum momento. Ter cólicas menstruais leves é algo normal. As cólicas menstruais não precisam de avaliação a menos que elas estejam causando muita dor.



Dicas para Profissionais:
  • Liberação Miofascial - Ventosas + Instrumental+ Manual + Acessórios
  • Curso de Agulhamento a Seco (Dry Needling)
  • Curso - Aprenda Auriculoterapia
  • Curso - Aprenda Ventosaterapia

  • Saiba mais sobre a Dor Pélvica Saiba mais sobre a Dor Pélvica Revisado por Faça Fisioterapia on 06:01 Nota: 5