Fisioterapia Pélvica: benefícios durante a gravidez e no pós-parto







Fisioterapia pélvica

Ver a barriguinha crescendo mês a mês é algo que deixa toda futura mamãe feliz. E para ter uma gestação tranquila o corpo passa por uma série de transformações que vão muito além das alterações visíveis.

Há ainda a readaptação do corpo, pois o útero cresce cerca de vinte vezes comparado ao seu tamanho original, pressionando os demais órgãos que estão ao seu redor.

Para suportar todas essas mudanças é necessário realizar exercícios de fortalecimento dos músculos específicos. Uma dessas atividades é a fisioterapia pélvica. "Também chamada de fisioterapia uroginecológica, ela previne e trata as alterações do assoalho pélvico - períneo - tanto de homens quanto de mulheres", explica Mônica Lopes, fisioterapeuta uroginecológica da Clínica Salutaire e membro da Associação Brasileira de Fisioterapia em Saúde da Mulher (ABRAFISM).

A fisioterapia pélvica é de suma importância para prevenir as gestantes do prolapso genital, que corresponde à descida do útero e da vagina, popularmente conhecida como barriga caída, e de problemas como incontinência urinária, provocada por determinados esforços como tosse, espirro, riso, exercícios, entre outros. A prática auxilia também nos cuidados com as urgeincontinências - quando o desejo de urinar é intenso e a pessoa pode urinar no decorrer do caminho até o banheiro.

Outros benefícios são prevenir ou minimizar possíveis sequelas do parto, como formação de aderências cicatriciais e diástase (separação) dos músculos retos abdominais. No caso de parto vaginal, a fisioterapia preparar a musculatura perineal para o retorno da função sexual sem dor. Dra. Mônica completa: "Também previne e trata a incontinência fecal, algumas disfunções sexuais, como o vaginismo, a vulvodínia, constipação e a flacidez vaginal e da musculatura perineal."

A especialista explica que, em gestantes, a fisioterapia pélvica é realizada por meio de exercícios de alongamento, fortalecimento e relaxamento da pelve e da musculatura perineal, que é o conjunto de músculos e ligamentos que se estende do início da vulva ao cóccix e circunda o clitóris, a uretra, o canal vaginal e o ânus.

"A bola suíça utilizada no pilates auxilia nos exercícios de quadril e na conscientização perineal, que também pode ser exercitado e alongado por meio do toque vaginal suave e indolor", relata Dra. Mônica. "O American College of Obstetricians and Gynecologists (ACOG) orienta que o início da fisioterapia deve ser autorizada pelo obstetra, a partir de doze semanas gestacionais", acrescenta.

Os exercícios fisioterapêuticos, além de promover inúmeros benefícios ao corpo, vão minimizar as consequências da gestação e do parto. Porém, a realização dos mesmos não determinará se a mãe terá maior possibilidade em realizar parto normal ou cesariana. "Nem sempre o parto transcorre conforme planejado pela mulher e seu obstetra. Deste modo, a via de parto ideal será aquela em que há segurança para a mãe e o filho", orienta Dra. Mônica.

Depois do parto, a mulher que teve cesariana ou normal não só pode como deve voltar a fazer a fisioterapia pélvica. "No pós-parto, além de os exercícios perineais terem como objetivo a melhora da tonicidade dos músculos pélvicos, ainda fortalecem os músculos abdominais. É importante conscientizar as mulheres sobre a importância da continuidade dos exercícios iniciados durante a gestação, a fim de promover o retorno de suas funções, prevenindo sequelas da gestação ou do parto", avalia Mônica.

A fisioterapeuta uroginecológica da Clínica Salutaire apresentou alguns equipamentos que são utilizados pela fisioterapia para maximizar o tratamento no pós-parto. Confira:

Biofeedback: aparelho que monitora a contração perineal e dos músculos sinérgicos - que se contraem junto do períneo -, auxiliando a lapidar o processo. De acordo com Dra. Mônica a paciente irá ver, através de gráficos e até de telas que mais parecem um vídeo-game, a sua contração que sempre deverá apresentar evolução.

Eletroestimulador: este aparelho estimula eletricamente os músculos a se contraírem. Totalmente indolor, o procedimento é indicado para as mulheres com flacidez ou pouca força perineal.

Cones: também conhecidos como pesos vaginais, são usados após avaliação perineal para saber qual será o peso adequado para cada paciente. Conforme evolui o tratamento, o cone colocado será cada vez mais pesado.

Por Stefane Braga (MBPress)

Fonte: http://vilamulher.terra.com.br/mae-filhos-familia/gravidez/fisioterapia-pelvica-beneficios-durante-a-gravidez-e-no-posparto-8-1-53-284.html




Capacite-se em assuntos para atender melhor os pacientes:
  • Aprenda Kinesio Tapping Online
  • Cintura Pélvica: Principais alterações posturais e possíveis correções X estética do glúteo
  • Liberação Miofascial Instrumental MioBlaster (IASTM) + Ventosas

  • Gostou o texto? Nos siga nas redes sociais: Instagram, Facebook e Twitter

    Quer anunciar neste blog?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui

    Quer sugerir uma pauta?
    Mande uma mensagem no Whatsapp clicando aqui ou um email clicando aqui

    Poste um Comentário

    Tecnologia do Blogger.