Realizar atividades físicas é recomendável a todos, por conta dos incontestáveis benefícios que...

Malhação em excesso pode causar incontinência urinária; entenda


Para a as mulheres, os exercícios realizados com peso e em séries com muitas repetições podem ocasionar incontinência urinária em qualquer idade. Isso ocorre porque o sexo feminino possui o que é chamado de "limiar de continência", diretamente ligado à quantidade e ao tempo que os músculos do períneo suportam esforços repetitivos Foto: Getty Images

Realizar atividades físicas é recomendável a todos, por conta dos incontestáveis benefícios que traz à saúde. O sinal de alerta, porém, é aceso quando o excesso de malhação acaba causando problemas. Para a as mulheres, os exercícios realizados com peso e em séries com muitas repetições podem ocasionar incontinência urinária em qualquer idade. Isso ocorre porque o sexo feminino possui o que é chamado de "limiar de continência", diretamente ligado à quantidade e ao tempo que os músculos do períneo suportam esforços repetitivos.

"O impacto repetitivo é transmitido ao assoalho pélvico e pode comprometer os ligamentos e a musculatura, causando fadiga destes músculos e dos que envolve a uretra. Isso prejudica a contração muscular e, consequentemente, a estabilidade e o fechamento da mesma. O resultado pode ser a perda urinária", afirmou a ginecologista Ivani Kehdi, do Hospital e Maternidade São Luiz. Segundo dados do International Continency Society (ICS), 20% das mulheres no mundo sofrem de incontinência urinária e, depois da menopausa, esse número sobe para cerca de 40%.

Para evitar a situação, a médica aconselha a buscar assistência de fisioterapeuta especializado em assoalho pélvico para fazer exercícios pelviperineais. "A maioria das atividades físicas não envolve contração voluntária dos músculos dessa região durante a execução, aumentando a pressão intra-abdominal e conduzindo a um possível quadro de incontinência", disse, ao acrescentar: "as academias e os orientadores físicos precisam incentivar esse tipo de exercícios."

Síndrome da mulher atleta
A médica explica que é difícil quantificar qual o nível de excesso de exercícios para se chegar ao problema. "Há muitas variantes, como genética, tipo de exercício, nutrição, acompanhamento de profissional adequado". Nas mulheres atletas, há ainda mais propensão para o desenvolvimento do problema, por outros motivos.

"Como consequência de treinamentos exagerados, tanto na viciada em academia, quanto na atleta de elite, pode ocorrer o que chamamos de síndrome da mulher atleta", afirmou a especialista. Amenorreia (falta de menstruação), anorexia e outros distúrbios alimentares e diminuição da massa óssea precoce são os principais distúrbios apresentados. E podem surgir também em garotas que malham muito e fazem restrição dietética para alcançar o "corpo ideal".

A falta de menstruação provocada por esses hábitos é sinal de que os hormônios femininos encontram-se baixos. "Com isso, os tecidos da região genital ficam mais frágeis e susceptíveis a traumas de repetição (impacto, musculação com carga exagerada), daí à ocorrência de incontinência urinária."

Consequências sociais
A ginecologista afirmou ainda que um dos maiores problemas é o isolamento motivado pela perda da urina. "Evita-se contatos sociais, viagens, festas, pelo medo da incontinência e, sobretudo, do odor que a mesma traz consigo. Muitas vezes, a situação não é compartilhada com a própria família por constrangimento." Tal isolamento vem associado ao desconforto causado pela irritação da pele (dermatite amoniacal), odor, uso constante de absorventes, fraldas, trocas constantes de roupa. "Esse fatores acabam por levar à degradação da qualidade de vida dessas mulheres."

Demais motivos
Genética - a incontinência urinária é mais frequente em brancos, pela menor quantidade de colágeno existente em seus tecidos, quando comparada aos negros.

Idade - As mulheres têm aumento da prevalência da incontinência urinária na pós-menopausa, com a diminuição dos hormônios registra-se uma queda resistência tecidual e maior flacidez da musculatura.

Doenças - Obesidade, doença pulmonar crônica (tosse crônica), diabetes, problemas neurológicos, psiquiátricos.

Partos - Os vaginais traumáticos podem causar o problema.

Fonte: Terra

Pouca gente conhece, mas a fisioterapia durante a gestação também é uma grande aliada para facilitar o parto. A fisioterapia aplicad...

Fisioterapia durante a gestação



Pouca gente conhece, mas a fisioterapia durante a gestação também é uma grande aliada para facilitar o parto. A fisioterapia aplicada à Uroginecologia e Obstetrícia é uma especialidade existente na Europa há 20 anos e que começa a ser difundida no Brasil. É indicada principalmente para o tratamento de disfunções urinárias e também para auxiliar a mulher em relação às alterações sofridas pelo corpo durante a gravidez.

O objetivo do tratamento é prevenir dores em geral, alterações no assoalho pélvico, melhorar o controle respiratório facilitando o trabalho de parto, diminuindo a ansiedade e o stress, e proporcionar um parto mais participativo e humanizado, com melhores condições para a mulher vivenciar a gestação e o parto. A fisioterapia conscientiza a grávida sobre suas alterações fisiológicas, orienta posturas mais adequadas durante suas atividades diárias e amamentação, é feito em gestantes de baixo risco e com acompanhamento médico.

O tratamento é indicado a partir do terceiro mês de gestação e pode ir até o último. São realizados trabalhos de postura, exercícios perineais, treino respiratório, alongamento e fortalecimento de músculos específicos, conscientização corporal, drenagem linfática manual, relaxamento muscular e exercícios para a região do abdômen, períneo e para pelve.

São necessárias no mínimo 10 sessões, que duram cerca de uma hora cada. Dependendo do caso, a paciente já sente a melhora logo nas primeiras sessões. Mas, assim como qualquer outro tratamento, com a paciente devendo ser assídua às sessões, colaborativa e disciplinada.

O tratamento também é recomendado nos casos de patologias do assoalho pélvico (períneo), incontinência urinária (perda de urina), incontinência fecal, prolapsos (queda) da bexiga, do útero e do reto, alterações sexológicas, constipação intestinal, tratamentos cirúrgicos pré e pós oncológicos e gestantes (pré e pós-parto).

Fonte: Dra. Vivian Maria Spaulonci é fisioterapeuta e especialista em estética facial e corporal, pós-graduada em Dermato Funcional, e pós-graduada em Uroginecologia.

Pouca gente deve saber, mas problemas como incontinência urinária e fecal, prolapsos de bexiga (bexiga caída) e disfunções sexuais podem ser...

Fisioterapia é aliada de quem busca a reeducação perineal



Pouca gente deve saber, mas problemas como incontinência urinária e fecal, prolapsos de bexiga (bexiga caída) e disfunções sexuais podem ser tratados e acompanhados pela fisioterapia. A fisioterapia uroginecológica é responsável por tratar e prevenir esses tipos de distúrbios pélvicos e ainda auxiliar na preparação para o parto e na recuperação do pós-parto.

A fisioterapeuta Amanda Herrero explica que o objetivo é trabalhar a reeducação perineal. O períneo é um músculo que tem a função de reforço e sustentação dos órgãos pélvicos, como o útero, ovários, bexiga e reto. "Na reeducação perineal buscamos desenvolver a consciência do corpo e do períneo, assim como também aumentar a força desta musculatura, para trazer todas essas estruturas para cima, para manter os órgãos no lugar adequado."

Segundo Herrero, alterações uroginecológicas podem estar relacionadas à queda de hormônios, ocasionadas pela idade, contração inversa do períneo, desuso da musculatura e diminuição na produção de colágeno dos ligamentos responsáveis por sustentar a bexiga. Dos problemas citados, a incontinência urinária é uma das alterações mais frequentes e se caracteriza pela perda de urina sem que a pessoa tenha controle.

No caso da incontinência por esforço, a bexiga perde pressão interna, impossibilitando a uretra de manter-se fechada. Pequenos esforços como tossir, espirrar e subir escadas levam à perda de urina. Há também a incontinência urinária de urgência, quando a pessoa não consegue segurar a urina na bexiga e não é possível chegar a tempo ao banheiro.

Alini Cardoso, também especialista em fisioterapia uroginecológica, comenta que as mulheres procuram mais que os homens pelo tratamento de incontinência urinária, já que nelas o problema é mais frequente. "O homem tem a uretra mais comprida. Ele é mais protegido do que a mulher para perder urina. A mulher não, a uretra dela é pequena e a gente tem o peso do útero sobre a bexiga. Ao entrar na menopausa o hormônio cai bruscamente e a flacidez aumenta", destaca.

As atividades de fortalecimento e resistência do assoalho pélvico também são recomendadas para homens que passaram por prostatectomia (cirurgia na próstata); crianças com dificuldade miccional (seguram a urina) ou aquelas que fazem "xixi" na cama. A fisioterapia uroginecológica auxilia ainda no tratamento de pessoas com disfunções intestinais, que sofrem de intestino preso ou solto.

Prazer sexual
A perda de prazer sexual é outro problema que pode ser tratado pela reeducação perineal. Com a técnica do pompoarismo a mulher desenvolve a coordenação e controle da musculatura do períneo. A fisioterapeuta Amanda Herrero explica que quando o períneo é estimulado de forma correta, a circulação sanguínea do local aumenta. Com isso, a resposta ao ato sexual é maior e a mulher sente mais prazer. "Ela vai ter aumento da produção de hormônio ovariano, então vai aumentar a libido. Vai melhorar a autoestima e muito."

Os grandes avanços no conhecimento médico e nas condições sócio-econômicas das últimas décadas aumentaram a expectativa de vida, fazendo...

Alterações urogenitais no climatério


Os grandes avanços no conhecimento médico e nas condições sócio-econômicas das últimas décadas aumentaram a expectativa de vida, fazendo com que mais mulheres cheguem à menopausa, passando parte expressiva de suas vidas na pós-menopausa. Nos países desenvolvidos a expectativa de vida das mulheres está em torno de 79 anos (Hammond, 1996) e, no Brasil, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, em torno de 72 anos (IBGE, 2000). Assim, surge a necessidade de compreender e evitar as conseqüências do hipoestrogenismo nos vários sistemas do organismo (Rodrigues de Lima et al, 1981; Valente, 1987; Baracat et al, 1989 e 1991; Bent, 1991).
 
A perda de função do ovário leva a alterações metabólicas, atróficas e clínicas, decorrentes da deficiente síntese de hormônios pelo ovário (Rodrigues de Lima e Baracat, 1995). Vários órgãos e sistemas são afetados com impacto variável na qualidade de vida; assim pode-se considerar o climatério como verdadeira endocrinopatia (Ettinger, 1987).

Numerosos sintomas são observados nesse período. Dentre os de aparecimento mais precoce citam-se os vasomotores, que acometem 70% a 80% das pacientes. Com o tempo, o hipoestrogenismo associa-se a alterações atróficas da pele, das mamas, dos órgãos genitais externos e internos e do trato urinário (Ingelman-Sundberg et al, 1981; Bent et al,1983; Iosif e Bekassy, 1984; Ribeiro et al, 1989).

Acredita-se que vários sintomas decorrem dessas alterações, tais como a secura vaginal, a dispareunia, o sangramento ao coito (Barber, 1988) e as infecções do trato urinário (Brandberg et al, 1987; Wells et al, 1987; Ribeiro et al, 1989; Baracat, 1992; McGuire e DeLancey, 1993; Baracat et al, 1997). Até recentemente admitia-se que as urgências miccionais e a incontinência urinária estavam relacionadas com o hipoestrogenismo e que melhorariam com a administração de estrogênios, contudo recentes dados do estudo denominado WHI trouxeram novos fatos, lançando dúvidas a respeito deste paradigma (Hendrix et al, 200520).

Stenberg et al observaram queixa de ressecamento vaginal em 43%, ardor vaginal em 10% e dispareunia em 41% das mulheres com 61 anos ou maismente ativa.6 No Brasil, Pelegrin et al (1997)descreveram 31% de dispareunia.
A prevalência dos sintomas urogenitais foi estimada por Iosif e Bekassy (1984), ao analisarem 902 mulheres com 61 anos, em 48,8% de queixas urogenitais; 29,2% tinham incontinência e 13% episódios recorrentes de infecção. No estudo WHI identificou-se incontinência urinária em 64% das pacientes no início do estudo, tal cifra pode ser justificada pela definição utilizada de incontinência urinária (qualquer episódio de perda no último ano) (DuBeau, 2005; Hendrix et al, 2005).

Segundo Bent et al (1983), de 100 mulheres na pós-menopausa com sintomas de urgência miccional, urge-incontinência, noctúria, polaciúria, sensação de esvaziamento incompleto e incontinência urinária aos esforços, 41% eram por hipoestrogenismo.

Muitas mulheres na pós-menopausa acreditam que a incontinência urinária é inerente à idade, não sendo passível de tratamento (Ouslander et al, 1982; Rubin, 1990). Outras se sentem constrangidas pela afecção e omitem seus sintomas dos familiares e dos médicos (Staskin et al, 1988; Fernandes et al, 1990; Summitt e Bent, 1991). Ainda assim, existem aquelas que procuram atendimento médico, porém, esbarram no custo ou na desinformação a respeito dos recursos diagnósticos e, não é raro receberem apenas tratamentos paliativos (Ouslander et al, 1982; Starer e Libow, 1985).

As pacientes mais idosas podem sofrer graves seqüelas que advêm da perda de urina constante, tais como escaras e celulites (Rubin, 1990). É causa freqüente de internação em casas de repouso (Ouslander et al, 1982), onde se constata elevada incidência consoante vários autores (Ouslander et al., 1982; Mohr et al., 1983; Brocklehurst, 1990; National Institutes of Health, 1989 e 1990; Lee et al, 1991).

Em pacientes previamente incontinentes, ocorre nítida piora dos sintomas com a queda na produção estrogênica, a qual acentua as distopias existentes. Assim, as lesões do assoalho pélvico podem permanecer ocultas até que a deficiência estrínica e o envelhecimento precipitem o prolapso dos órgãos pélvicos (Hirschi et al, 1991).

Com o envelhecimento a uretra fica rígida, o epitélio delgado e friável. A eversão da sua mucosa origina a carúncula muitas vezes confundida com tumores. Por sua vez, o músculo detrusor sofre marcada trabeculação, com formação de pseudo-divertículos.

A infecção do trato urinário é mais freqüente na pós-menopausa; decorre das alterações na flora vaginal (diminuição de lactobacilos e aumento do pH) e de provável deficiência imunológica local e de maior aderência bacteriana ao urotélio (Karafin, 1988; Bent, 1991). Há evidências de que os esteróides gonadais possuem efeitos sobre as respostas imunes celular e humoral. Enquanto os androgênios e progestogênios deprimem a resposta imune, os estrogênios podem melhorá-la (Verthelyi e Klinman, 2000).

A diminuição da função ovariana está, também, associada a maior produção de citocinas pró-inflamatórias, diminuição das células NK e aumento dos linfócitos B e T, enquanto a tertapia estrogência diminui a produção de citocinas pró-inflamatórias e resgata o perfil dos linfócitos à condição da pré-menopausa (Kamada et al, 2000)
A prevalência da infecção do trato urinário baixo aumenta com a idade, sendo 5% entre 45 a 54 anos, 10% entre 55 a 54 anos e 15% acima de 65 anos de idade. Recentemente, Barlow et al., estudando o envelhecimento genital em mulheres européias, encontrou prevalência de infecção do trato urinário em 12,5% nas italianas, 10,2% nas francesas, 5,3% nas dinamarquesas, 5,4% nas holandesas, 5,4% nas alemães, 4,5% nas inglesas (Barlow et al, 1997). Nestes países as infecções do trato urinário baixo são causas freqüentes de internação das mulheres climatéricas em casas de repouso.

Estudos epidemiológicos mostram que terapia de reposição hormonal promove aumento dos linfócitos B, proliferação dos linfócitos T, redução da interleucina, fator de necrose tumoral e elevação no fator estimulador da colonização de macrófagos (Porter et al, 2001).

O Comitê de Terapia Urogenital e Hormônio da I.U.G.A. (2001) publicou revisão sistematizada sobre estrogênios para pacientes com infecção urinária recorrente. Descreveram que a administração de estrogênios é efetiva na prevenção dos episódios de recidiva em mulheres na pós-menopausa. Assinalaram não haver dados suficientes para estabelecer qual o melhor estrogênio, assim como não ser possível ainda estabelecer os efeitos dos fitoestrogênios e dos SERMS (moduladores seletivos de receptores de estrogênio) (Cardozo et al, 2001).

A origem embriológica do trato urinário está intimamente relacionada com a do trato genital, o que nos leva a suspeitar da suscetibilidade aos esteróides sexuais.

Os efeitos da deficiência estrogênica assumem grande relevância ao envolverem vários elementos responsáveis pela continência urinária, tais como a mucosa uretral, os receptores alfa-adrenérgicos da uretra, o colágeno do assoalho pélvico e os vasos peri-uretrais (Faber e Heidenreich, 1977; Walter et al, 1978; Rud, 1980a; Rud et al, 1980; Beisland et al, 1984; Bump e Friedman, 1986; Tapp e Cardozo, 1986; Cardozo, 1990).

O tecido colágeno desempenha papel fundamental na continência urinária, pois participa da formação dos ligamentos e fáscias responsáveis pela sustentação e suspensão dos órgãos pélvicos, representando 30% do total protéico do organismo, sendo, assim, a proteína mais comum do corpo humano (Nimni, 1983).

É sintetizado pelos fibroblastos, com padrão constante em todas as espécies animais, ou seja, mantendo o aminoácido glicina a cada três posições. Isso faz com que a configuração da proteína seja helicoidal. As cadeias são estabilizadas por outros aminoácidos, como prolina e hidroxiprolina, e por pontes de hidrogênio, formando ligações estáveis (Nimni, 1983; Norton, 1993).

Descrevem-se, atualmente, mais de 18 tipos de colágeno (Myers et al, 1997), porém os mais estudados são os tipos I, II e III (Kuhn, 1985).

O colágeno tipo I, o mais comum, é constituído por duas cadeias alfa-1 (tipo I) e uma alfa-2, e é encontrado principalmente nos ligamentos, nas fáscias e nos tendões. Forma as fibras grossas e fortes, conferindo resistência à estrutura que o contém.

O tipo II apresenta três cadeias alfa-1 (tipo II), e é o componente das cartilagens, dando força, mas não flexibilidade ao tecido.

Já o tipo III, composto por três cadeias idênticas alfa-1 (tipo III), forma as fibras mais finas e organizadas. É, em geral, encontrado junto com o tipo I, em proporções variadas, prevalecendo nos locais que necessitam de boa flexibilidade, tais como pele, aorta, pulmão, útero; também existe nas fáscias e ligamentos (Bergman et al., 1994).
Stumpf et al (1976) sugeriram haver estreita relação entre a produção de colágeno e os níveis de estrogênios, uma vez que encontraram receptores estrogênicos nos fibroblastos.

Brincat et al (1985) relataram haver alteração no metabolismo do colágeno na pós-menopausa. Tal fato assume importância crucial nas mulheres incontinentes, pois estas já possuem menor quantidade de colágeno do que as continentes (Girão et al, 1998).

A influência estrínica sobre o tecido conjuntivo parece ser diferente nos vários órgãos. "In vivo", o estrogênio reduz a produção de colágeno pelas células mesangiais do rim (Neugarten e Silbiger, 1995; Kwan et al., 1996), bem como a sua síntese e acúmulo na parede vascular de ratas e coelhas (Fischer et al., 1981; Fischer e Swain, 1985).
A distribuição de colágeno e de elastina nas várias camadas da bexiga varia de acordo com as suas funções no mecanismo de micção (Murakumo et al, 1995). Assim, na lâmina própria da bexiga observam-se, na camada mais superficial, fibras colágenas densas, que funcionam como suporte do epitélio. Na parte média, existem colunas de fibras dispostas em várias direções, que suportam as forças mecânicas. Na porção mais profunda, as fibras são mais largas, e acomodam as alterações de estiramento e compressão (Phillips e Davies, 1980; Levy e Wigth, 1990; Murakumo et al, 1995).

Sabe-se que a perda da complacência vesical pode determinar várias alterações urinárias, como urgência, incontinência, refluxo vésico-ureteral, hidronefrose, entre outras (Baskin et al, 1993a). Ocorre por alteração na matriz extracelular da lâmina própria da bexiga, com aumento do colágeno (Ewalt et al, 1992). A deposição de fibras colágenas no detrusor altera a contratilidade da bexiga, acarretando sintomas urinários (Susset et al, 1978; Baskin et al, 1993b).

Como já foi mencionado, os ligamentos e os músculos do assoalho pélvico são estruturas de grande importância na manutenção da estática do útero, da bexiga e da junção uretrovesical, portanto, na manutenção da continência urinária (DeLancey e Starr, 1990; Handa et al, 1996).

Comparando a quantidade de colágeno no paramétrio e na cúpula vaginal, Takano et al (2003) notaram menor quantidade em mulheres com prolapso uterino do que em outras sem prolapso.

Quanto à incontinência urinária de esforço, diversos autores estudaram as variações do colágeno em relação à idade e ao estado menopausal (Ulmsten et al, 1987; Rechberger et al, 1993; Bergman et al, 1994; Falconer et al, 1994; Keane et al, 1997; Falconer et al, 1998a, b).

Ulmsten et al (1987) detectaram diminuição de 25% do colágeno do ligamento redondo e de 40% do da pele de mulheres incontinentes em relação às continentes.

Observaram Hassager et al (1990) aumento dos níveis séricos do peptídeo aminoterminal do pró-colágeno tipo III após a administração de estrogênio e de progesterona a mulheres na pós-menopausa. Demonstraram, assim, que esses hormônios aumentam a produção de colágeno tipo III, a partir do pró-colágeno que perde a cadeia aminoterminal.

Bergman et al (1994) observaram que as mulheres com incontinência urinária de esforço e prolapso genital tinham concentrações menores de colágeno tipo III nos ligamentos uterossacrais e redondos, bem como na pele do períneo. No entanto, a quantidade de colágeno total não diferiu daquela dos grupos sem perda urinária, com ou sem prolapso genital.

Em nosso meio, Sartori et al (2003) demonstraram que em ratas castradas, a reposição estrogênica isolada diminui a quantidade de colágeno e aumenta o número de fibras musculares no detrusor e na camada muscular da uretra. A associação estrogênio-progestogênio diminui o colágeno e aumenta as fibras musculares no detrusor (Figuras 3 e 4). Extrapolando esses resultados para mulheres, eles sugerem-se que a reposição hormonal melhore a atividade uretral. Corroborando esse achado, Jackson et al (2002) descreveram a perda de colágeno no epitélio vaginal de mulheres com incontinência urinária após 6 meses de uso de estradiol. Assim, podemos supor que a estrogenioterapia pode melhorar a complacência e a elasticidade dos tecidos.

Um conceito clássico, que necessita ser revalidado, é que os estrogênios aumentam o número e a sensibilidade dos receptores alfa-adrenérgicos, assim como o potencial de membrana e bloqueiam a recaptação extraneuronal de catecolaminas, elevando, dessa forma, o tônus do esfíncter uretral (Schreiter et al, 1976; Beisland et al, 1984; Callahan e Creed, 1985). Em estudo experimental com ratas, não conseguimos confirmar esta afirmação.
A mucosa uretral também contribui para a continência pela sua coaptação, ao produzir um efeito selante da uretra. Sabe-se, contudo que as mucosas vesical e uretral, à semelhança da vaginal, sofrem influência estrogênica. A propósito, diversos pesquisadores descreveram alterações no epitélio do trato urinário baixo, consoante o estado hormonal (Hundley et al, 1935; Del Castilho, 1948; Streitz, 1963; Faber e Heidenreich, 1977; Zinner et al, 1980; Suguita et al, 2000).

A partir do estudo de Berkow (1953) o plexo venoso peri-uretral passou a ser estudado. Como se sabe, a rede vascular da uretra é importante para manter a continência urinária (Enhörning, 1961), pois responde por cerca de um terço da pressão uretral (Rud et al, 1980). Ademais sofre marcante influência estrogênica, sobretudo em sua porção proximal (Raz et al, 1972; Faber e Heidenreich, 1977; Iosif et al, 1981; Beisland et al, 1984; Huisman, 1989; Forsberg, 1995).

Em nosso meio, Endo et al (2000) estudaram a ação dos esteróides sexuais no número de vasos peri-uretrais em ratas adultas castradas e observaram aumento significativo após reposição hormonal.

Jármy Di Bella et al (2000), avaliando os vasos peri-uretrais em mulheres na pós-menopausa e no menacme, com e sem incontinência urinária de esforço, pela dopplervelocimetria, notaram que o número de vasos, a diástole mínima e o pico sistólico foram menores nas mulheres incontinentes na pós-menopausa.

Com a utilização do estudo urodinâmico, identificou-se queda nos valores da pressão de fechamento uretral com o avançar da idade (Henriksson et al, 1979; Rud, 1980a; Bhatia e Ostergard, 1982; Valente, 1987; Sorensen, 1988; Gillon et al, 1989; Diokno, 1990).

Já Öbrink et al (1977) não registraram diferenças entre o comprimento funcional da uretra de mulheres no menacme ou na pós-menopausa.

Em nosso meio, Wakawaiachi et al (2000) encontraram diminuição da pressão máxima de fechamento uretral em mulheres incontinentes com mais de cinco anos após a menopausa.

Assim, a alta prevalência dos distúrbios urinários em mulheres na pós-menopausa justifica todos os esforços para a sua melhor compreensão, tratamento e profilaxia, buscando insistentemente melhor qualidade de vida.
Os resultados da terapia das alterações urogenitais da pós-menopausa com estrogênios são controversos, pois os critérios de avaliação, os tipos de hormônios empregados, as vias de administração e as doses são deveras variados (Sartori et al, 1995).

Molander et al (1991) ministraram estriol por via oral e comprovaram melhora ou cura clínica em 50% das pacientes com incontinência de esforço, em 18% dos com bexiga hiperativa (antigamente denominada de instabilidade do detrusor) e em 50,7% das mulheres com incontinência urinária mista.

Por outro lado, Wilson et al (1987) e Cardozo (1990) não registraram respostas clínicas satisfatórias ao tratarem suas pacientes com estradiol ou placebo. Cardozo (1990), no entanto, notou diminuição da descida do colo vesical à videouretrocistografia, embora sem melhora clínica, com o tratamento hormonal.

Diversos autores obtiveram melhora clínica significante, além de aumento na pressão uretral e na taxa de transmissão da pressão abdominal à uretra, após a estrogenioterapia por via vaginal em mulheres com incontinência urinária (Hilton e Stanton, 1983; Beisland et al, 1984; Sacco et al, 1990).

Fantl et al (1994), em revisão sistematizada da literatura, concluíram que, em 64% das pacientes com incontinência urinária de esforço, o tratamento com estrogênio melhora o quadro clínico, qualquer que seja o tipo, a dose, o tempo e as vias de administração.

Sartori et al (1995) observaram que a terapêutica estroprogestativa de mulheres na pós-menopausa com incontinência urinária de esforço promoveu melhora clínica significativa, bem como aumento da capacidade vesical, do fluxo urinário médio e da pressão máxima de fechamento uretral.

Quanto aos vasos peri-uretrais, Girão et al (2003) demonstraram nítido aumento do seu número, do pico sistólico, da diástole mínima, assim como forte tendência na diminuição do índice de resistência nesse território, com a reposição estrogênica em mulheres na pós-menopausa.

Por fim, cumpre analisarmos as evidências mais recentes a respeito da efetividade da terapia hormonal para a incontinência urinária. Temos dois grande estudos randomizados, prospectivos e multicêntricos, o HERS e o WHI, que relataram maior risco de aparecimento de incontinência em mulheres usando terapia hormonal. Por outro lado, em recente revisão sistemática com meta-análise, o centro Cochanne concluir existir evidência de melhora da incontinência (tanto de esforço quanto urge-incontinência) com terapia estrogênica (Grady et al, 2001; Hendrix et al, 2005; Moehrer et al, 2005).

Sobre os estudos HER e WHI deve-se considerar que os mesmos não foram desenhados com a finalidade de avaliar os efeitos da terapia hormonal na continência urinária e, portanto, os critérios de inclusão não foram voltados para homogenizar os grupos quanto aos fatores de risco para a incontinência, tais como paridade, número de partos vaginais, peso dos recém-nascidos e existência de distopias e de lesões do assoalho pélvico entre outros. Por sua vez, a meta-análise do centro Cochrane, avaliou pequeno número de pacientes, o que confere maior possibilidade de falha. Possivelmente, os dados controversos por vezes observados, decorram de respostas diferentes das várias pacientes. No futuro talvez se possa determinar quais mulheres se beneficiarão desta terapêutica e qual o melhor momento para iniciá-la, levando-se em conta a progressiva diminuição do número de receptores causada pela deficiência estrínica.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ALDRIGHI JM - Distúrbios urogenitais da mulher menopausada: fisiopatologia e aspectos clínicos. J. Bras. Ginecol., 102: 3-6, 1992.

BARACAT EC - Distúrbios urogenitais da mulher menopausada: tratamento da atrofia urogenital. J. Bras. Ginecol., 102: 9-10, 1992.

BARACAT EC, HAIDAR MA, RODRIGUES DE LIMA G - Síndrome do climatério. Ars Curandi, 22:26-31, 1989.

BARACAT EC, HAIDAR MA, RODRIGUES DE LIMA G et al. - Síndrome do climatério: aspectos atuais. Ars Curandi, 24: 9-16, 1991.

BARACAT EC, SARTORI MGF, HAIDAR MA, GIRÃO MJBC et al. - Alterações urogenitais no climatério. In: GIRÃO MJBC, RODRIGUES DE LIMA G, BARACAT EC - Uroginecologia. 1ª ed., São Paulo, Ed. Artes Médicas, 1997. p. 91-8.

BARBER HRK - Gynecologic problems. In: ESKIN BA (ed). The menopause: comprehensive management. Mc Millan. New York, 1988. p137.

Barlow DH, Samsioe G, Van Geelen JM. Astudy of European women, experience of the problems of urogenital ageing and its management. Maturitas 1997; 27:239-47.

BATES P, BRADLEY WE, GLEN E et al. - The standardization of terminology of lower urinary tract function. J. Urol., 121: 551-4, 1979.

BATRA SC, BJELLIN L, IOSIF CS et al. - Effect of oestrogen and progesterone on the blood flow in the lower urinary tract of the rabbit. Acta Physiol. Scand., 123: 191-4, 1985.

BATRA SC, BJELLIN L, SJÖGREN C et al. - Increases in blood flow of female rabbit urethra following low doses estrogens. J. Urol., 136: 1360-2, 1986.

BATRA SC & IOSIF CS - Female urethra: a target for estrogen action. J. Urol., 129: 418-20, 1983.

BATRA SC & IOSIF CS - Progesterone receptors in the female lower urinary tract. J. Urol. 138: 1301-4, 1987.

BEISLAND HO, FOSSBERG E, MOER A et al. - Urethral sphincteric insufficiency in postmenopausal females: treatment with phenylpropanolamine and estriol separately and in combination. Urol. Int., 39: 211-6, 1984.

BENT AE - Geriatric Urogynecology. In: Ostergard DR & BENT AE - Urogynecology and urodynamics: theory and practice. 3.ed. Baltimore, Williams & Wilkins, 1991. p. 518-31.

BERGMAN A, ELIA G, CHEUNG D et al. - Biochemical composition of collagen in continent and stress urinary incontinent women. Gynecol. Obstet. Invest., 37: 48-51, 1994.

BERKOW SG & AMBOY P - The corpus spongeosum of the urethra: its possible role in urinary control and stress incontinence in women. Am. J. Obstet. Gynecol., 65: 346-8, 1953.

BHATIA NN & OSTERGARD DR - Urodynamics in women with stress urinary incontinence. Obstet. Gynecol.,60: 552-9, 1982.

BLACK MM, SHUSTER S, BOTTOMS E – Osteoporosis, skin collagen, and androgen. Br. Med. J., 4: 773-4, 1970.

BLAIVAS JG & OLSSON CA - Stress incontinence: classification and surgical approach. J. Urol.,139: 727-31, 1988.

BRANDBERG A, MELLSTRÖM D, SAMSIOE G - Low dose oral estriol treatment in elderly women with urogenital infections. Acta Obstet. Gynecol. Scand. Suppl., 140: 33-8, 1987.

BRINCAT M, MONIZ CF, KABALAN S et al. - Decline in skin collagen content and metacarpal index after the menopause and its prevention with sex hormone replacement. Br. J. Obstet. Gynaecol., 94: 126-9, 1987a.

BRINCAT M, MONIZ CF, STUDD JWW et al. - Sex hormones and skin collagen content in postmenopausal women. Br. Med. J., 287: 1337-8, 1983.

BRINCAT M, MONIZ CJ, STUDD JWW et al. - Long-term effects of the menopause and sex hormones on skin thickness. Br. J. Obstet. Gynaecol., 92: 256-9, 1985.

BRINCAT M, VERSI E, MONIZ CF et al. - Skin collagen in postmenopausal women receiving different regimens of estrogen therapy. Obstet. Gynecol., 70: 123-7, 1987b.

BROCKLEHURST JC - Urinary incontinence in old age: helping the general practitioner to make a diagnosis. Gerontology, 36: 3-7, 1990.

BUMP RC & FRIEDMAN CI - Intraluminal urethral pressure measurements in the female baboon: effects of hormonal manipulation. J. Urol., 136: 508-11, 1986.

CALLAHAN SM & CREED KE - The effects of oestrogens on spontaneous activity and responses to phenylephrine of the mammalian urethra. J. Physiol., 358: 35-46, 1985.

CARDOZO L - Role of estrogens in the treatment of female urinary incontinence. J. Am. Geriatr. Soc., 38: 326-8,1990.

CARDOZO L, LOSE G, McCLISH D et al. – A systematic review of estrogens for recurrent urinary tract infections: third report of the hormones and urogenital therapy (HUT) committee. Int. Urogynecol. J., 12: 15-20, 2001.

CARLILE A, DAVIES J, FARAGHER E et al. - The epithelium in the female urethra: a quantitative study. J. Urol., 138: 775-7, 1987.

CARLILE A, DAVIES J, RIGBY A et al. - Age changes in the human female urethra: a morphometric study. J. Urol., 139: 532-5, 1988.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL - Perspectives in disease prevention and health promotion: urinary incontinence among hospitalized persons aged 65 years and older. MMWR- Morb. Mort. Wkly Rep., 40: 433-6, 1991.

DEL CASTILLO EB, ARGONZ J, MAININI CG - Cytological cycle of the urinary sediment and its parallelism with the vaginal cycle. J. Clin. Endocrinol., 8: 76-87, 1948.

DEL CASTILLO EB, ARGONZ J, MAININI CG - Smears from the female urethra and their relationship to smears of the urinary sediment. J. Clin. Endocrinol. Metab., 9: 1362-71, 1949.

DeLANCEY JO & STARR RA - Histology of the connection between the vagina and levator ani muscles. Implications for urinary tract function.J. Reprod. Med., 35: 765-71, 1990.

DIOKNO AC - Diagnostic categories of incontinence and the role of urodynamic testing. J. Am. Geriatr. Soc., 38: 300-5, 1990.

DIOKNO AC, WELLS TJ, BRINK CA - Urinary incontinence in elderly women: urodynamic evaluation. J. Am. Geriatr. Soc., 35: 940-6, 1987.

DORRELL P, WILKINSON R, GORHAM SD et al. - Collagen arrangements in ureter. Urol. Res., 21: 325-8, 1993.
DuBEAU CE – Estrogen treatment for urinary incontinence. JAMA, 293: 998-9, 2005.

EIKA B, SALLING LN, CHRISTENSEN LL et al. - Long-term observation of the detrusor smooth muscle in rats. Its relationship to ovariectomy and estrogen treatment. Urol. Res., 18:439-42, 1990.

ENDO RM, GIRÃO MJBC, SARTORI MGF et al. – Effect of estrogen-progestogen hormonal replacement therapy on periurethral and bladder vessels. Int. Urogynecol. J., 11: 120-3, 2000.

ENHÖRNING G - Simultaneous recording of intravesical and intra-urethral pressure. Acta Chir. Scand., 276: 1-68, 1961.

ETTINGER B - Overview of the efficacy of hormone replacement therapy. Am. J. Obstet. Gynecol., 156: 1298-9, 1987.

EWALT DH, HOWARD PS, BLYTH B et al. - Is lamina propria matrix responsible for normal bladder compliance? J. Urol., 148: 544-9, 1992.

FABER P & HEIDENREICH J - Treatment of stress incontince with estrogen in postmenopausal women. Urol. Int., 32: 221-3, 1977.

FALCONER C, BLOMGREN B, JOHANSSON O et al. - Different organization of collagen fibrils in stress-incontinent women of fertile age. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 77:87-94, 1998a.

FALCONER C, EKMAN-ORDEBERG G, BLOMGREN B et al. - Paraurethral connective tissue in stress-incontinent women after menopause. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 77:95-100, 1998b.

FALCONER C, EKMAN-ORDEBERG G, ULMSTEN U - Decreased collagen synthesis in stress-incontinent women. Obstet. Gynecol., 84: 583-6, 1994.

FALCONER C, EKMAN-ORDEBERG G, ULMSTEN U et al. - Changes in paraurethral connective tissue at menopause are counteracted by estrogen. Maturitas, 24: 197-204, 1996.

FANTL JA, CARDOZO L, McCLISH DK - THE HORMONES AND UROGENITAL THERAPY COMMITTEE - Estrogen therapy in the management of urinary incontinence in postmenopausal women: a meta-analysis. First report of the hormones and urogenital therapy committee. Obstet. Gynecol., 83:12-8, 1994.

FANTL JA, WYMAN JF, ANDERSON RL et al. - Postmenopausal urinary incontinence: comparison between non-estrogen-supplemented and estrogen-supplemented women. Obstet. Gynecol., 71: 823-8, 1988.

FERNANDES CE, MORITA MH, FERREIRA JAS et al. - Abordagem dos distúrbios do trato urinário na mulher pós-menopausada. Rev. Paul. Med., 108: 230-5, 1990.

FISCHER GM, CHERIAN K, SWAIN ML - Increased synthesis of aortic collagen and elastin in experimental atherosclerosis. Inhibition by contraceptive steroids. Atherosclerosis, 39: 463-7, 1981.

FISCHER GM & SWAIN ML - Effects of estradiol and progesterone on the increased synthesis of collagen in atherosclerotic rabbit aortas. Atherosclerosis, 54:177-85, 1985.

GILLON G, SAVIR A, NISSENKORN I et al. - Results and relevance of urodynamic studies in the management of urinary incontinence in women over eighty. Isr. Med. Sci., 25:25-7, 1989.

GIRÃO MJBC – Efeitos da reposição estrogênica nos parâmetros dopplervelocimétricos dos vasos peri-uretrais em mulheres na pós-menopausa com incontinência urinária de esfoço.São Paulo, 1998. 72p. Tese de Livre-Docência – Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina.

GIRÃO MJBC & SARTORI MGF. - Síndrome do climatério - Alterações do trato urinário inferior. In: RODRIGUES DE LIMA G & BARACAT EC - Ginecologia Endócrina. 1ª ed. Atheneu, 1995. p.271-2.

GOSLING JA & DIXON J - Embryology and ultrastructure of the female lower urinary tract. In: OSTERGARD DR & BENT AE - Urogynecology and urodynamics: theory and practice. 4.ed. Baltimore, Williams & Wilkins, 1996. p. 19-31.

Hammond CB. Menopause and hormone replacement theraphy: an overview. Obstet Gynecol 1996; 87: 2-15
HANDA VL, HARRIS TA, OSTERGARD DR - Protecting the pelvic floor: obstetric management to prevent incontinence and pelvic organ prolapse. Obstet. Gynecol., 88: 470-7, 1996.

HASSAGER C, JENSEN LT, PODENPHANT J et al. - Collagen synthesis in postmenopausal women during therapy with anabolic steroid or female sex hormones. Metabolism, 39: 1167-9, 1990.

HENDRIX SL, COCHRANE BB, NYGAARD IE, HANDA VL, BARNABEI VM, IGLESIA C, ARAGAKI A, NAUGHTON MJ, WALLACE, McNEELEY SG – Effects of estrogen with and without progestin on urinary incontinence. JAMA, 293: 935-48, 2005.

HENRIKSSON L, ANDERSSON KE, ULMSTEN U - The urethral pressure profiles in continent and stress-incontinent women. Scand. J. Urol. Nephrol., 13: 5-10, 1979.

HILTON P & STANTON SL - The use of oestrogen cream in genuine stress incontinence. Br. J. Obstet. Gynaecol., 90: 940-4, 1983.

HODGKINSON CP - Relationships of the female urethra and bladder in urinary stress incontinence. Am. J. Obstet. Gynecol., 65: 560-73, 1953.
HOLLAND EFN, STUDD JWW, MANSELL JP et al. - Changes in collagen composition and cross-links in bone and skin of osteoporotic postmenopausal women treated with percutaneous estradiol implants. Obstet. Gynecol., 83:180-3, 1994.

INGELMAN-SUNDBERG A, ROSÉN J, GUSTAFSSON SA et al. - Cytosol estrogen receptors in the urogenital tissues in stress-incontinent women. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 60: 585-6, 1981.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) - senso demográfico do Brasil 2000).

INTERNATIONAL CONTINENCE SOCIETY. COMMITTEE ON STANDARDISATION OF TERMINOLOGY - The standardisation of terminology of lower urinary tract function. In: OSTERGARD DR & BENT AE - Urogynecology and urodynamics: theory and practice. 3.ed. Baltimore Williams & Wilkins, 1991. p.545-62.

IOSIF CS, BATRA S, EK A, ASTEDT B - Estrogen receptors in the human female lower urinary tract. Am. J. Obstet. Gynecol., 141: 817-20, 1981.

IOSIF CS & BEKASSY Z - Prevalence of genito-urinary symptoms in the late menopause. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 63: 257-60, 1984.

JACKSON SR, AVERY NC, TARLTON JF et al. - Changes in metabolism of collagen in genitourinary prolapse. Lancet, 347: 1658-61, 1996.

JÁRMY-DI BELLA ZIK, GIRÃO MJBC, SARTORI MGF et al. – Power Doppler of the urethra in continent or incontinent, pré and postmenopausal women. Int. Urogynecol. J., 11: 148-55, 2000.

JUDGE TG - The use of quinestradol in elderly incontinent women, a preliminary report. Gerontol. Clin., 11: 159-64, 1969.

JUMA S, LITTLE NA, RAZ S - Evaluation of stress urinary incontinence. In: BUCHSBAUM HJ & SCHIMIDT JD - Gynecologic and Obstetric Urology. 3.ed. Philadelphia, W.B. Saunders Company, 1993. p.251-63.

Kamada M, Inahara M, Maegava M Yasue T, Takiji T, Yamada M, et al. Effect of hormone replacement therapy on post-menopausal changes of lynphocytes and T cells subsets.J Endocrinol Invest 2000; 23: 376-82.

KEANE DP, SIMS TJ, ABRAMS P et al. - Analysis of collagen status in premenopausal nulliparous women with genuine stress incontinence. Br. J. Obstet. Gynaecol., 104:994-8, 1997.

KIRSHEN AJ & CAPE RDT. - A history of urinary incontinence: or, 400 years of incontinence - are we any drier ? J. Am. Geriatr. Soc., 32: 686-8, 1984.

KÜHN K - Structure and biochemistry of collagen. Aesth. Plast. Surg., 9: 141-4, 1985.

KWAN G, NEUGARTEN J, SHERMAN M et al. - Effects of sex hormones on mesangial cell proliferation and collagen synthesis. Kidney Int., 50:1173-9, 1996.

LARSSON B, ANDERSSON K, BATRA S et al. - Effects of estradiol on norepinephrine-induced contraction, alpha adrenoceptor number and norepinephrine content in the female rabbit urethra.J. Pharmacol. Exp. Ther., 229: 557-63, 1984.

LEE KS, OWEN RE, CHOO PWJ et al. - Urinary incontinence in the elderly. Singapore Med. J., 32: 161-3, 1991.
LEVY BJ & WIGHT TN - Structural changes in the aging submucosa: new morphologic criteria for the evaluation of the unstable human bladder. J. Urol., 144: 1044-55, 1990.

MÄKINEN J, KÄHÄRI V, SÖDERSTRÖM K et al. - Collagen synthesis in the vaginal connective tissue of patients with and without uterine prolapse. Eur. J. Obstet. Gynecol. Reprod. Biol., 24: 319-25, 1987.

MÄKINEN J, SÖDERSTRÖM K, KIILHOLMA P et al. - Histological changes in the vaginal connective tissue of patients with and without uterine prolapse. Arch. Gynecol., 239: 17-20, 1986.

McGUIRE EJ & DeLANCEY JOL - Postmenopausal woman. In: BUCHSBAUM HJ & SCHIMIDT JD - Gynecologic and Obstetric Urology. 3.ed. Philadelphia, W.B. Saunders Company, 1993. p.480-7.

MOEHRER B, HEXTALL A, JACKSON S – Oestrogens for urinary incontinence in women. The Cochrane Librrary, Issue 1, 2005.

MOHR JA, ROGERS J, BROWN TN et al. - Stress urinary incontinence: a simple and practical approach to diagnosis and treatment. J. Am. Geriatr. Soc., 31: 476-8, 1983.

MOLANDER U, MILSOM I, EKELUND P et al. - A health care program for the investigation and treatment of elderly women with urinary incontinence and related urogenital symptoms. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 70:137-42, 1991.

MOORE KL - Sistema urogenital. In: ____________ - Embriologia Clínica. 2.ed. Rio de Janeiro, Editora Interamericana, 1978. p.219-58.

MURAKUMO M, USHIKI T, ABE K et al. - Three-dimensional arrangement of collagen and elastin fibers in the human urinary bladder: a scanning electron microscopic study. J. Urol., 154: 251-6, 1995.

MYERS JC, LI D, BAGERIS A, ABRAHAN V et al. - Biochemical and immunohistochemical characterization of human type XIX defines a novel class of basement membrane zone collagen. Am J. Pathol., 151: 1729-34, 1997.

NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH: CONSENSUS DEVELOPMENT CONFERENCE - Urinary incontinence in adults. Conect. Med., 53: 535-41, 1989.

NATIONAL INSTITUTES OF HEALTH: CONSENSUS DEVELOPMENT CONFERENCE - Urinary incontinence in adults. J. Am. Geriatr. Soc., 38: 265-72, 1990.

NEUGARTEN J & SILBIGER SR - Effects of sex hormones on mesangial cells. Am. J. Kidney Dis., 26:147-51, 1995.

NIMNI ME - Collagen: structure, function, and metabolism in normal and fibrotic tissues. Sem. Arth. Rheum., 13: 1-86, 1983.

NORTON PA - Pelvic floor disorders: the role of fascia and ligaments.Clin. Obstet. Gynecol., 36: 926-38, 1993.
ÖBRINK A, BUNNE G, ULMSTEN U - Intra-urethral and intra-vesical pressure in continent women. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 56: 525-9, 1977.

OUSLANDER JG, KANE RL, ABRASS IB - Urinary incontinence in elderly nursing home patients. JAMA, 248: 1194-8, 1982.

PACCHIONI D, REVELLI A, CASETTA G et al. - Immunohistochemical detection of estrogen and progesterone receptors in the normal urinary bladder and in pseudomembranous trigonitis. J. Endocrinol. Invest., 15:719-25, 1992.
Pelegrin GCL, Novakzyc AA, Winck CHL, Piovesan CM. Avaliação dos sintomas clínicos das pacientes climatéricas atendidas no HESM em relação ao uso de terapia de reposição hormonal e índice de massa corpórea. Reprod Clim 1997; 12 (suppl 1):12-36.

PERSSON K, SVANE D, GLAVIND B et al. - Effects of ovariectomy on mechanical properties and collagen content in rabbit lower urinary tract smooth muscle. Scand. J. Urol. Nephrol., 30: 7-14, 1996.

PETROS PE - New ambulatorysurgical methods using na anatomical classification of urinary dysfunction improve stress, urge and abnormal emptying. Int. Urogynecol. J., 8: 270-8, 1997.

PETROS PE & ULMSTEN U - An integral theory of female urinary incontinence. Act Obstet. Gynecol. Scand., 69: 7-31, 1990.

PETROS PE & ULMSTEN U - Role of the pelvic floor in bladder neck opening and closure: I muscle forces. Int. Urogynecol. J., 8: 75-81, 1997.

PHILLIPS JI & DAVIES J - The comparative morphology of the bladder and urethra in young and old female C57BL/Icrfat mice. Exp. Geront., 15:551-62, 1980.

Porter VR, Greedale GA, Schockin M, Zhu X, Effrons RB. Immune effects of hormone replacement therapy in post-menopausal women. Exp Gerontol 2001; 36:213-26.

PUNNONEN R - Effect os castration and peroral estrogen therapy on the skin. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 21:1-44, 1973.

RAZ S, CAINE M, ZEIGLER M - The vascular component in the production of intraurethral pressure. J. Urol., 108: 93-6, 1972.

RAZ S, ZEIGLER M, CAINE M - The effect of progesterone on the adrenergic receptors of the urethra. Br. J. Urol., 45: 131-5, 1973.

RECHBERGER T, DONICA H, BARANOWSKI W et al. - Female urinary stress incontinence in terms of connective tissue biochemistry. Eur. J. Obstet. Gynecol. Reprod. Biol., 49: 187-91, 1993.

RIBEIRO RM, HEGG R, MELO NR et al. - Distúrbios urinários no climatério. Rev. Bras. Med., 46: 105-8, 1989.

RODRIGUES DE LIMA G & BARACAT EC - Síndrome do climatério - Conceito, fisiopatologia, quadro clínico e diagnóstico. In: ____________. Ginecologia Endócrina. 1ª ed. Atheneu, 1995. p.253-98.

RODRIGUES DE LIMA G, GOMES PINTO W, AMOROSO JJG et al. - Considerações sobre a síndrome do climatério. Rev. Bras. Clin. Terap., 10: 369-79, 1981.

RUBIN CD - Southwestern internal medicine conference: urinary incontinence in the elderly. Am. J. Med. Sci., 299: 131-47, 1990.

RUD T - The effects of estrogens and gestagens on the urethral pressure profile in urinary continent and stress incontinent women. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 59: 265-70, 1980a.

RUD T - Urethral pressure profile in continent women from childhood to old age. Acta Obstet. Gynecol. Scand., 59: 331-5, 1980b.

RUD T, ANDERSSON KE, ASMUSSEN M et al. - Factors maintaining the intraurethral pressure in women. Invest. Urol., 17: 343-7, 1980.

SACCO F, RIGON G, CARBONE A et al. - Terapia estrogenica transvaginale dell'incontinenza urinaria da sforzo. Minerva Ginecol., 42: 539-44, 1990.

SALMON UJ, WALTER RI, GEIST SH - The use of estrogens in the treatment of dysuria and incontinence in postmenopausal women. Am. J. Obstet. Gynecol., 42: 845-51, 1941.

SARTORI MGF – Análise quantitativa do colágeno e das fibras musculares da bexiga e da uretra de ratas castradas, antes e durante reposição por estrogênios e/ou progestagênios. São Paulo – 1998, 89p. [Tese de Doutorado – Universidade Federal de São Paulo – Escola Paulista de Medicina.]

SARTORI MGF, BARACAT EC, GIRÃO MJBC et al. - Menopausal genuine stress urinary incontinence treated with conjugated estrogens plus progestogens. Int. J. Gynecol. Obstet., 49: 165-9, 1995a.

SARTORI MGF, GIRÃO MJBC, BARACAT EC et al. - Complicações urinárias no climatério. In: PIATO, S. - Tratado de Ginecologia.São Paulo,Ed. Artes Médicas, 1997. p. 462-9.

SARTORI MGF, OLIVEIRA LM, MOTTA ELA et al. - Avaliação urodinâmica em mulheres na pós-menopausa com incontinência urinária de esforço segundo o tempo de menopausa. Ginecol. Obstet. Atual, 6: 13-5, 1995b.

SARTORI MGF, WAKAVAIACHI VMB, GIRÃO MJBC et al. - Síndrome da urgência-freqüência: achados uretrocistoscópicos e anátomo-patológicos. Bol. Soc. Latin. Urogin. Cir. Vag., 1:10-1, 1996.

SCHLEYER-SAUNDERS E - Hormone implants for urinary disorders in postmenopausal women. J. Am. Geriatr. Soc., 24: 337-9, 1976.

SCHREITER F, FUCHS P, STOCKAMP K - Estrogenic sensitivity of alpha-receptors in the urethra musculature. Urol. Int., 31: 13-9, 1976.

SCHUSTER S, BLACK MM, McVITIE E - The influence of age and sex on skin thickness, skin collagen and density. Br. J. Dermatol., 93: 639-43, 1975.

SEMMELINK HJF, WILDE PCM, VAN HOUWELINGEN JC et al. - Histomorphometric study of the lower urogenital tract in pre- and post-menopausal women. Cytometry, 11: 700-7, 1990.

SIEGEL I, ZELINGER BB, KANTER AE - Estrogen therapy for urogenital conditions in the aged. Am. J. Obstet. Gynecol., 84: 505-7, 1962.

SMITH P - Age changes in the female urethra. Br. J. Urol., 44: 667-6, 1972.

SMITH P, HEIMER G, NORGREN A et al. - Steroid hormone receptors in pelvic muscles and ligaments in women. Gynecol. Obstet. Invest., 30: 27-30, 1990.

SORENSEN S, KNUDSEN UB, KIRKEBY HJ et al. - Urodynamic investigations in healthy fertile females during the menstrual cycle. Scand. J. Urol. Nephrol. Suppl., 114: 28-34, 1988.

STUMPF WE, SAR M, JOSHI SG - Estrogen target cells in the skin. Experientia, 30:196-9, 1974.

SUGUITA MA, GIRÃO MJBC, SIMÕES MJ et al. – A morphologic and morphometric study of the vesical mucosa and urethra of castrated female rats following estrogen and/or progestogen replacement. Clin. Exp. Obst. & Gyn., 27: 176-8, 2000.

SUSSET JG, SERVOT-VIGUIER D, LAMY F et al. - Collagen in 155 human bladders. Invest. Urol., 16: 204-6, 1978.
SWAIMAN KF & BRADLEY WE - Quantitation of collagen in the wall of the human urinary bladder. J. Appl. Physiol., 22: 122-4, 1967.

TAPP AJS & CARDOZO L - The postmenopausal bladder. Br. J. Med., 35: 20-3, 1986.

TYLER DE - Stratified squamous epithelium in the vesical trigone and urethra: findings correlated with the menstrual cycle and age. Am. J. Anat., 111: 319-35, 1962.

ULMSTEN U, EKMAN G, GIERTZ G et al. - Different biochemical composition of connective tissue in continent and stress incontinent women. Acta. Obstet. Gynecol. Scand., 66: 455-7, 1987.

VALENTE S - Analysis of the urodynamics parameters in the micturitional pathology of women in old age. Clin. Exp. Obstet. Gynecol., 14: 5-10, 1987.

VERNON MS - Urinary incontinence in the elderly. Prim. Care, 16: 515-28, 1989.

VERSI E, CARDOZO L, BRINCAT M et al. - Correlation of urethral physiology and skin collagen in postmenopausal women. Br. J. Obstet. Gynaecol., 95: 147-52, 1988.

Verthelyi D, Klinman DM. Sex hormone levels correlate with the activity of cytokine-secreting cells in vivo. Immunology 2000; 100: 384-90.

WAKAVAIACHI VMB - Análise clínica, urodinâmica e ultra-sonográfica de mulheres continentes e com incontinência urinária de esforço, consoante o tempo de menopausa. São Paulo - 1997, 59 p. [Tese de Mestrado - Universidade Federal de São Paulo - Escola Paulista de Medicina].

WAKAVAIACHI VMB, SARTORI MGF, ENDO RM et al. - Incontinência urinária de esforço no climatério: avaliação de parâmetros urodinâmicos. Rev. Bras. Med. Ginecol. Obstet., 5: 442-5, 1994.

WALL LL - The muscles of the pelvic floor. Clin. Obstet. Gynecol., 36: 910-25, 1993.

WALTER S, WOLF H, BARLEBO H et al. - Urinary incontinence in postmenopausal women treated with estrogens. Urol. Int., 33: 135-43, 1978.

WELLS TJ, BRINK CA, DIOKNO AC - Urinary incontinence in elderly women: clinical findings. J. Am. Geriatr. Soc., 35: 933-9, 1987.

WILSON PD, BARKER G, BARNARD RJ et al. - Steroid hormone receptors in the female lower urinary tract. Urol. Int., 39: 5-8, 1994.

WILSON PD, FARAGHER B, BUTLER B et al. - Treatment with oral piperazine oestrone sulphate for genuine stress incontinence in postmenopausal women. Br. J. Obstet. Gynaecol., 94: 568-74, 1987.

WOLF H, WANDT H, JONAT W - Immunohistochemical evidence of estrogen and progesterone receptors in the female lower urinary tract and comparison with the vagina. Gynecol. Obstet. Invest. 32: 227-31, 1991.

WRONSKI TJ, YEN F, DANN LM - Parathyroid hormone is more effective than estrogen or bisphosphonates for restoration of lost bone mass in ovariectomized rats. Endocrinology, 132: 823-31, 1993.

YOUNGBLOOD VH, TOMLIN EM, WILLIANS JO et al. - Exfoliative cytology of the senile female urethra. J. Urol., 79: 110-3, 1958.

Autores:

Manoel J B C Girão
Dione Dutra Sampaio
Zsuzsanna I Jarmy DiBella
Marair Gracio Ferreira Sartori
Geraldo Rodrigues de Lima
Edmund Chada Baracat

A incontinência urinária masculina pode ser decorrente da incompetência esfincteriana, da hiper ou hipoatividade detrusora, ou de um proce...

Tratamento na incontinência urinária masculina


A incontinência urinária masculina pode ser decorrente da incompetência esfincteriana, da hiper ou hipoatividade detrusora, ou de um processo obstrutivo infra-vesical. Portanto, é necessário o reconhecimento do tipo de incontinência urinária, para que o tratamento a ser instituído seja o mais adequado. A literatura tem apresentado um grande número de publicações que demonstram sucesso no tratamento clínico da incontinência urinária masculina.

Inicialmente é importante descartar a possibilidade de uma incontinência urinária transitória. Neste caso, a ação sobre os fatores desencadeantes, como a obstipação intestinal, a infecção urinária, o uso de medicamentos com ação colateral no trato urinário inferior, é a solução para a incontinência urinária na maioria das vezes.1

Nos pacientes com graus leves de incontinência de esforço, instabilidade detrusora e nos portadores de patologias demenciais, medidas como o esvaziamento vesical freqüente, programado ou estimulado, são de grande utilidade. O seu objetivo é manter o volume e pressão vesicais em valores abaixo do ponto em que ocorre a falha no armazenamento da urina, evitando assim a perda urinária.

Embora não muito difundidas na literatura urológica, a fisioterapia e a cinesioterapia, por meio de exercícios que visam o fortalecimento da musculatura pélvica, tem promovido resultados controversos no tratamento da incontinência urinária de esforço. 2

Outro método, o biofeedback baseia-se na transmissão de conhecimentos, para o paciente, a respeito do processo biológico em questão, no caso a incontinência urinária, objetivando um controle voluntário sobre esse processo, a partir dos sintomas e sinais por ele apresentados. Para tal, podem ser utilizados dados urodinâmicos, bem como outros recursos áudio-visuais. O sucesso obtido com este método chega a atingir em média 40% dos pacientes com incontinência de esforço ou instabilidade detrusora.3

A estimulação elétrica através de dispositivos cutâneos, endo-anais, eletrodos locados no períneo por via percutânea, entre outros, promove um aumento na resistência esfincteriana e redução na contração detrusora (estimulação de ramos do nervo pudendo e nervo pélvico). Os resultados obtidos pelos diversos autores são muitas vezes não reproduzíveis. Em um estudo com 20 pacientes portadores de incontinência urinária pós-prostatectomia, submetidos a esta forma de tratamento, oito obtiveram sucesso.4 Outros autores alcançaram até 80% de melhora em pacientes portadores de incontinência urinária decorrente de instabilidade detrusora.5

Várias drogas são utilizadas no tratamento da incontinência urinária masculina. Cada classe de medicamentos tem aplicação específica sobre determinado tipo de incontinência urinária. Os agonistas alfa-adrenérgicos promovem um aumento na pressão de fechamento uretral através da estimulação de receptores alfa-adrenérgicos localizados em grande quantidade no colo vesical, cápsula e estroma prostáticos. Seu uso pode desencadear efeitos colaterais adversos principalmente do ponto de vista hemodinâmico. A droga mais utilizada é a fenilpropanolamina (Ornatrol ®).

Alguns miorrelaxantes, como a oxibutinina (Retemic®), tem ação direta no detrusor e um efeito anticolinérgico, promovendo uma redução na contratilidade vesical. Tem sua indicação mais específica nos casos de incontinência urinária secundária a instabilidade detrusora. Os anticolinérgicos puros também são muito utilizados neste tipo de incontinência urinária, sendo o brometo de propantelina o maior representante desta classe de medicamentos.

Se a incontinência urinária é conseqüência de um mau esvaziamento vesical, decorrente de um processo obstrutivo infravesical funcional, podemos utilizar drogas bloqueadoras alfa-adrenérgicas, como a doxazosina, a alfuzosina e a terazosina, as quais promovem um relaxamento na musculatura lisa esfincteriana, facilitando a drenagem urinária. Nos casos em que esse esvaziamento vesical deficitário é fruto de uma hipocontratilidade detrusora a instituição do cateterismo vesical intermitente faz-se necessária.

Quando as medidas acima citadas não são suficientes e o paciente não apresenta condições de tratamento cirúrgico ou na eventual falha deste último, só nos resta lançar mão de dispositivos coletores ou absorventes de urina, apesar dos transtornos ocasionados por estes.

BIBLIOGRAFIA

  1. FRIED, G. W.; GETZ, G.; POTTS-NULTY, S.; CIOSCHI, H. M.; STAAS JR, W. E. - A behavioral approach to the treatment of urinary incontinence in a disable population. Arch. Phys. Med. Rehabil 1995, 76(12): 1120-1124
  2. HARRISON, S. C. W.; ABRAMS, P. - Postprostatectomy incontinence. In: MUNDY, A. R.; STEPHENSON, T. P.; WEIN, A. J., ed - Urodynamics principles, practice and application, 2nd edition, Churchill Livingstone, 1994. p. 257-262.
  3. STEIN, M.; DISCIPPIO, W.; DAVIA, M.; TAUB, H. - Biofeedback for the treatment of stress and urge incontinence. J. Urol 1995, 153 (3 pt 1): 641-643
  4. TANAGHO, E. A.; SCHMIDT, R. A. - Electrical stimulation in the clinical management of the neurogenic bladder. J. Urol 1988, 140: 1331
  5. ISHIGOOKA, M.; HASHIMOTO, T.; SASAGAWA, I.; NAKADA, T.; HANDA, Y. - Electrical pelvic floor stimulation by percutaneous implantable electrode. Br. J. Urol 1994, 74(2): 191-194

A prática de exercícios ativa a circulaçao e descontrai os músculos. Dessa forma, a ginástica ...

Exercicíos para aliviar cólica menstrual


A prática de exercícios ativa a circulaçao e descontrai os músculos. Dessa forma, a ginástica alivia qualquer forma de tensao e ajuda, inclusive, a amenizar as cólicas menstruais.
E, como nenhuma mulher está livre de sentir cólicas uma vez ou outra, por que nao experimentar fazer os exercícios abaixo? Eles sao específicos para aliviar os desconfortos durante o período menstrual.


Primeiro Exercício

 

1 . Fique em pé, de frente para a parede, a uns 30 centímetros de distância. Cruze os braços na altura dos ombros.

 

 

 

2 . Incline-se para a frente, de maneira que os cotovelos toquem a parede.


 

 

3 . Depois, incline a barriga, até que ela toque a parede. Permaneça nesta posiçao por 1 minuto, mantendo os calcanhares no chao e os joelhos retos. Retorne à posiçao inicial.

 

 

Segundo Exercício

1 . Deite-se de costas, com os joelhos dobrados, os pés no chao e os braços para trás.

 


2 . Ao mesmo tempo, levante os braços para a frente e estique as pernas para a posiçao sentada.

 


3 . Incline-se para a frente e tente alcançar os pés com os dedos das maos. Retorne à posiçao original.


Fazer atividades físicas é sempre saudável, esteja você menstruada ou nao. Portanto, leve uma vida normal durante esse período; afinal, os dias de menstruaçao devem ser iguais aos outros.

Faça Fisioterapia